AG News

As cinco finais da Liga Mundial no Brasil

Você que curte esporte com certeza já ouviu falar da Liga Mundial de Vôlei. Criada no início dos anos 90 pela FIVB (Federação Internacional de Voleibol), tem como missão promover o esporte em épocas sem Olimpíadas e Copa do Mundo.

Desde sua criação, a Liga Mundial é um sucesso. Para nós brasileiros, porém, é mais que um sucesso: o Brasil é o maior vencedor da competição – com 9 títulos – superando os 8 da Itália.

O campeonato geralmente tem duas fases: uma “classificatória”, em diversas sedes, e a “fase final”, em uma única sede. E o Brasil já recebeu a fase final da Liga Mundial por cinco vezes.

A Arena da Baixada, em Curitiba, sediará a fase decisiva da Liga deste ano. O Brasil, como sede, já está garantido na fase final, mas vai disputar a primeira fase para não imitar a Seleção de futebol na Copa de 2014… Né?

Vamos relembrar agora as outras cinco vezes que recebemos as finais da Liga. Somente uma foi com sucesso… =/

1993 – A Geração de Ouro desbanca a Itália

A quarta edição da Liga foi a primeira após a medalha de ouro do Brasil em Barcelona’92, comandada por José Roberto Guimarães. Nosso escrete não começou bem a primeira fase, com duas derrotas seguidas, mas conseguiu a pegar o segundo lugar com 15 vitórias em 20 jogos (lembrando que ele já estava automaticamente classificado para a fase final).

A fase final foi disputada no Ginásio do Ibirapuera, e todo o hype do ouro olímpico contagiou a torcida, que lotou e vibrou com os jogadores brasileiros, empurrando nossa seleção.

Na época a fase final era tiro curto: 4 seleções, duas semifinais, jogo único. E para o Brasil, a semifinal foi justamente contra a Itália, então campeã mundial E TRICAMPEÃ da Liga.

Pressão? Um passeio do Brasil: 3 sets a 0, surpreendendo todo o mundo. Na outra semifinal, a Rússia venceu Cuba por 3 a 1.

Brasil e Rússia decidiram a Liga. Estava 2×2 nos confrontos entre eles na Liga, sempre a favor dos donos da casa: duas vitórias na Rússia, duas vitórias no Brasil.

No final, 3×0 Brasil: 15-2 no primeiro set, 15-13 no segundo e 15-9 no terceiro (lembrando que, na época, o time precisava conquistar uma vantagem para depois disputar o ponto).

Festa em São Paulo com o primeiro título brasileiro da Liga!

1995 – A vingança da Itália

Em 1995, a seleção começou bem melhor que em 1993. Venceu o grupo – mesmo sem precisar, pois já estava automaticamente classificado para a fase final: 7 vitórias e 5 derrotas, a mesma campanha de Cuba, mas desempatada no saldo de sets.

Naquele ano, 6 seleções se classificavam para a fase final, que aconteceu no estádio do Maracanãzinho – Rio de Janeiro. Grupo único, mas cada equipe faria 4 jogos, e os dois melhores desse grupo decidiriam a Liga.

Com isso, Brasil e Itália fizeram a final daquele ano. Toda a torcida achava que vinha o BI, pois a campanha do Brasil era a melhor de toda a competição. E, como vingança da eliminação em 1993, a Itália massacrou o Brasil: 3-1: 15-12, 7-15, 15-9 e 15-12. Era o QUINTO título italiano na Liga Mundial.

Em tempo: você aí lembra desse jogo de vôlei do SNES aí do vídeo?

2002 – Perdeu a Liga? Quem LIGA?

sete anos depois o Brasil receberia a fase final da Liga Mundial. E nossa seleção estava diferente: no ano anterior, havia voltado a vencer a Liga Mundial, desbancando a (olha ela aí denovo) Itália.

A seleção italiana já era OCTA (aliás, continua sendo até hoje). A grande novidade deste ano é que a fase final foi realizada em DUAS SEDES: Recife e Belo Horizonte.

Na primeira fase, campeão: 9 vitórias e 5 derrotas. Na fase final (em que 8 equipes se classificaram, divididas em 2 grupos), ficou em Recife e também venceu o grupo preliminar, passando às semifinais.
Venceu a Iugoslávia por 3 sets a 2 e decidiu a Liga contra a Rússia, que bateu a Itália na outra semifinal.

Mineirinho lotado para receber a decisão da Liga, repetindo a final de 1993. Só que o resultado foi diferente: 3 sets a 1 para a Rússia, e Brasil mais uma vez decepciona em casa.

O ano de 2002, no entanto, não foi marcado por essa derrota, mas pelo título mundial inédito do Brasil, dias depois na vizinha Argentina, desbancando a própria Rússia na decisão.

2008 – Serjão Loroza pé-frio do caramba

Em 2008 o Brasil já havia se tornado uma potência da Liga: desde a derrota para a Rússia em 2002, só deu Brasil: 5 títulos em sequência. E o Rio de Janeiro receberia mais uma vez a fase final da Liga Mundial.

Na primeira fase, avassalador: 10 vitórias e 2 derrotas. A fase final iniciou com 6 seleções divididas em 2 grupos, e o Brasil foi lá e faturou esse grupo também, se classificando para as semifinais.

Parecia que o Brasil conseguiria vencer em casa novamente, mas não contávamos com o fator Serjão Loroza.

O cantor animou a galera do Maracanãzinho com sua música no início do sábado, quando as semifinais aconteceram. Nada contra a música, é bem legal inclusive, mas no fim… EUA 3×0 Brasil!

Um passeio norteamericano tirando o sonho do título em casa. Só que não parou por aí! Na disputa do 3º lugar, no dia seguinte, mais uma vez Serjão Loroza iniciou os trabalhos do dia com uma apresentação. Resultado: Rússia 3×1 Brasil.

Nossa seleção de volei venceria pela última vez a Liga em 2010, quando assumiu a ponta de maior vencedor: 9 conquistas. Só que ainda faltava um mico em casa – maior até que o de 2008.

2015 – A pior campanha brasileira em casa

A Liga estava se expandindo cada vez mais. Agora existiam “divisões”: Grupo 1, 2 e 3. A fase final daquele ano reunia os melhores do grupo 1 e o vencedor do grupo 2, a França. E a FIVB logo ia ver o quão furada era essa regra…

O Brasil estava numa maré baixa, os vencedores de anos anterioes vinham se aposentando, dando chance a novos talentos. Na primeira fase, venceu seu grupo: 9 vitórias e 3 derrotas. Até que vinha bem, mas desandou totalmente na fase final, novamente no Rio de Janeiro.

No grupo preliminar, enfrentou EUA e França. Um incrível empate triplo aconteceu: 1 vitória e uma derrota para cada um, e os 3 jogos acabaram com 3×1 para o vencedor!

No critério de desempate, o point average – média de pontos – foi usado e o Brasil – o pior point average dos três – acabou eliminado das semifinais. Um vexame dentro de casa!

No fim, a França, campeã da “Série B” da Liga também vence a divisão principal. Por menos que isso deu treta por aqui em 1987, né não?

Segundo os próprios jogadores, esse vexame em pleno Maracanãzinho impulsionou o escrete brasileiro a ser vice da Liga e campeão olímpico no Rio no ano seguinte.

Agora a seleção tem a chance de, longe do Rio, tentar mais uma vez ser campeão da Liga, conquistando A DÉCIMA.

A fase preliminar começa nesse fim de semana. Vamos torcer pelo Brasil – mesmo que ele já tenha garantido vaga na fase final – e lotar a Arena da Baixada de 4 a 8 de julho!

Coletiva / Vôlei – 09-03-2017 – Coletiva com os organizadores da fase final da Liga Mundial de vôlei na Arena da Baixada (estádio do Atlético Paranaense). O estádio será cedido para os jogos de vôlei entre 24 de junho e 11 de julho. Na foto,

Será que vem a DÉCIMA? Comente aí!

Seja mais um Geraldo da Arena! Receba as nossas novidades direto do seu e-mail!