AG News Arena Olímpica

ParaPlantão #ArenaRio #9

É, amigos… Reta final de paralimpíada e o Brasil, pela primeira vez no Rio 2016, não está o grupo dos 5 melhores – meta do CPB. Dois dias sem ouro e atropelos de Austrália e Alemanha causaram a queda.
Bem, mas também ganhamos medalhas, e batemos a marca de Pequim! Nunca medalhamos tanto em Paralimpíadas! Vamos aos destaques do dia:

FATOS

christiane-reppe

– Depois de dois dias sem #hinotododia, o Brasil foi ultrapassado no Quadro de Medalhas por Austrália e Alemanha. na 7ª colocação, o que era quase certo e se tornou difícil, agora é improvável: o 5º lugar, a meta do CPB.

– Durante as semifinais por equipes de tênis de mesa, uma confusão se formou nas arquibancadas. Uma senhora sentou-se em local não autorizado na Arena, e deu piti a ponto de precisarem chamar a Força Nacional de Segurança…

– Uma falha na bomba de água causou interrupção das finais da natação por 40min. A água auxiliar da bomba acabou, fazendo ela jogar ar na piscina, criando ondulações, que atrapalhariam os atletas das raias 1 e 8. A prova só pode ser reiniciada quando a água no reservatório foi reestabelecida.

HERÓIS

promo218224416

– Ibrahim Al Hussein e Tatyana McFadden foram os vencedores do prêmio Whang Youn Dai, que desde Seul 1988 é entregue pelo Comitê Paralímpico Internacional (IPC) para agraciar os atletas que melhor exemplificiam o espírito e os valores dos Jogos Paralímpicos. Cada um receberá uma medalha de ouro puro que pesa 75 gramas.

Ibrahim nasceu na Síria, é um dos dois atletas refugiados a competir sob a bandeira Paralímpica no Rio 2016. Em 2013 foi atingido por uma explosão na tentativa de ajudar um amigo, tendo que amputar parte da perna direita. Fugiu para a Turquia, e depois cruzou o Mar Egeu parta chegar à Grécia, onde iniciou a reabilitação. Ele ganhou os holofotes no rebezamento da tocha Olímpica, tento participado como condutor em Atenas, na Grécia, onde treina e compete com ajuda do Comitê Olímpico Helênico.

Tatyana nasceu com espinha bífida, uma má formação congênita que a deixou paralisada da cintura para baixo quando vivia em São Petesburgo, na Rússia. Abandonada em um orfanato, ela não tinha uma cadeira de rodas e se movimentava usando as mãos. Aos seis anos, foi adoatada pela americana Deborah McFadden, do Departamento de Saúde dos Estados Unidos, e mudou-se para o país da América do Norte. Na escola, Tatyana foi impedida de competir com os demais alunos, então ela e sua mãe moveram uma ação judicial que acabou levando à criação da “Lei Tatyana”, segundo a qual alunos com deficiências em todo o país teriam direito à prática esportiva como qualquer outro.

BRASIL

78galj8ml6_4q90m28eya_file

– O Brasil não foi páreo para os Estados Unidos na semifinal do voleibol sentado feminino. Aas meninas brasileiras foram derrotadas por 3 sets a 0 e perderam a vaga na decisão.

– O Brasil chegou à segunda derrota no torneio de rugby em cadeira de rodas dos Jogos Paralímpicos, pela Austrália por 72 a 45, e não tem mais chances de medalha.

– O Brasil está fora da briga por medalhas de ouro no tênis de mesa dos Jogos Paralímpicos. Três brasileiros foram derrotados nas semifinais, e agora vão jogar pelo bronze: a equipe masculina enfrentou a França na semifinal das classes 1-2 e foi derrotada por 2 a 0. O cenário se repetiu na semifinal feminina classes 6-10. Por fim, no masculino classe 3, a equipe masculina levou 2 a 0 da Alemanha. Nas três classes o Brasil volta a jogar no sábado, em busca da medalha de bronze.

– Parceiros na equipe que garantiu o ouro ao Brasil no revezamento 4x100m T11-13, Felipe Gomes e Daniel Silva foram rivais na final dos 200m da classe T11, prova na qual foram ouro e prata em Londres 2012. Os dois voltaram ao pódio, mas não ao lugar mais alto: enquanto Felipe levou a prata, Daniel ficou com o bronze.

– No arremesso do peso feminino da classe F35, o Brasil garantiu mais um bronze. Marivana Oliveira garantiu seu lugar no pódio com a marca de 9,28m, a melhor de sua carreira. O ouro foi para a chinesa Jun Wang, que quebrou o recorde mundial com 13,91m.

– O Brasil está a uma vitória do histórico tetracampeonato Paralímpico no futebol de 5. Com uma atuação decisiva do baiano Jefinho, que marcou dois gols, a seleção brasileira derrotou a China por 2 a 1 e assegurou sua vaga na decisão do torneio dos Jogos Rio 2016.

– Sérgio Oliva ganhou o bronze no campeonato individual misto do grau Ia do hipismo e levou o país pela primeira vez ao pódio no esporte. Ele só ficou atrás de duas atletas da Grã-Bretanha, principal potência do esporte nos Jogos.

– O goalball brasileiro ficou de fora da dispita pelo ouro. A seleção feminina perdeu para China por 4 a 3 na semifinal, após empate no tempo normal. Já a seleção masculina, favorita ao ouro, tomou uma lavada dos EUA 10 a 1 nas semifinais e terão que lutar pelo bronze.

– No primeiro dia de finais da canoagem velocidade nos Jogos Paralímpicos, Caio Ribeiro ficou em terceiro lugar na última prova no Estádio da Lagoa, a da categoria KL3, e garantiu o bronze para o país.

Não deixe de conferir nossa página especial e o Quadro de Medalhas (terminamos em 7º ontem)!
Faltou alguma coisa? Comenta aí!

Seja mais um Geraldo da Arena! Receba as nossas novidades direto do seu e-mail!