AG Retrô 2021 – Abril

Seguimos nossa forma de contar a história de 2021 no cenário esportivo.

Antes de mais nada, vamos aqui fazer uma propaganda ao nosso querido amigo BILL.

Como será que foi o mês de abril, hein?


COVID19 segue afetando o esporte

Com o avanço da vacinação, e a aproximação de grandes eventos no meio do ano, como a Copa América e a Eurocopa, entidades esportivas como a CONMEBOL decidiram que os atletas de futebol seriam “prioridades” na fila.

Como obviamente não são, a CONMEBOL foi duramente criticada pela “furada” de fila.

Alguns clubes rejeitaram a oferta, mas outros, como o Atlético-GO, se vacinou prontamente, e criticou quem reclamou da vacinação pois “queria estar no lugar” do Dragão…

Os torneios seguiam em regime de bolha, mas ainda com grandes restrições.

Porém, alguns clubes que parece não ter noção do que estamos passando.

O Ceará, que disputou a fase de grupos da Copa Sulamericana, resolveu sair da bolha da Argentina, e passear pela cidade antes de enfrentar o Arsenal de Sarandi.

Mas nem tudo são más notícias. Celebramos a cura de dois grandes ídolos do nosso esporte: o ex-jogador e treinador da seleção masculina de vôlei, Renan Dal Zotto, e o para-judoca Antonio Tenório.


E lá na gringa…

O mês de abril foi agitado lá fora também.

Pegando o ganho do vôlei, ficamos sabendo que, após os Jogos Olímpicos, Bernardinho vai assumir a seleção francesa masculina de voleibol.

Enquanto isso, seguia a polêmica da infame Superliga Europeia de clubes.

Batizados de Dirty Dozen – ou “os doze sujos”, os clubes fundadores da Superliga foram duramente criticados por criarem um torneio elitista travestido de “salvador” do futebol.

A entrevista de Florentino Perez, presidente do Real Madrid, tentando defender a iniciativa chega a ser surreal.

UEFA e FIFA se mexeram e ameaçaram eliminar os times integrantes do torneio atual da Champions League.

E isso quase acontece, deixando o PSG QUAAAASE ganhando a Champions de bandeja.

Um por um os clubes foram abandonando a barca furada…

Não foi apenas o Real Madrid que teve micos na Espanha.

O Athletic Bilbao, por conta dos torneios atrasados por conta da COVID19, disputou em menos de 15 dias duas finais de Copa do Rei.

Após perder para a Real Sociedad (na edição de 2020), perdeu para o Barcelona (na edição de 2021) no mesmo mês, o que acabaria sendo marcado pelo último título de Messi pelo clube catalão.

E o lance mais ridículo vindo da Espanha foi mais um caso de racismo no futebol.

Diakhaby, do Valência, acusou um jogador do Cadiz de injúria racial, o que fez o jogador do Valência deixar o jogo, e retirando todo o time do Valência de campo em protesto.

20min depois eles voltaram, para “honrar o escudo do clube”.


No Brasil…

Com o Carioca sendo promovido pela RecordTV e com a TV devendo grana a FERJ, a grande novidade da edição foi o Resende, que apostou em inscrever o Cartolouco como jogador durante o torneio.

Efetivamente ele não jogou, mas as redes sociais do time do interior do RJ explodiram em acessos.

Se dentro de campo o Resende não foi bem, fora dele foi destaque.

Tanto que o Casimiro e integrantes da TNT Sports fizeram uma simulação do Resende disputando o FIFA 21 e subindo – ganhando a Copa do Brasil, inclusive com festa do Cartolouco em pessoa.

Se o Cartolouco se deu bem, o Renato Gaúcho se deu mal. Após o Grêmio ser eliminado na pré-Libertadores pelo Independente Del Valle, o treinador deixou o comando do Imortal.

Sobre mídia, a Copa América foi fechada com exclusividade na TV aberta para o SBT (e na fechada para o Grupo Disney), além do infame CONMEBOL TV.


Estou sentindo uma treta

Não faltou confusão e polêmica na Copa do Brasil.

Em fase que não tinha VAR, um erro crasso do bandeira pode ter tirado o Ferroviário da terceira fase, após ser derrotado na disputa de pênaltis para o América-MG.

Nem a campanha do PIX para compensar tirou o descontentamento do time cearense.

Nos estaduais, dois momentos tretosos a destacar:

  • os jogadores do River-PI que literalmente desceram a porrada em torcedores que tentaram atingir o ônibus do clube;
  • A ridícula campanha para demissão do treinador Ariel Holan do Peixe, inclusive com ameaças de agressão;
  • e uma treta sinistra entre Hulk e William Potker depois de um clássico mineiro.


Próximo post vai contar como foi maio. Fique ligado!

Faltou alguma coisa no mês de abril? Senta o comentário!