Boletim Tóquio 2020 – Setembro 2019

Falta menos de um ano para os Jogos Olímpicos de Tóquio. O mês de setembro foi repleto de Mundiais e definições de vagas.

O Brasil promete muito em alguns esportes, e vai penar para se classificar em outros.

Vamos ver como estão a preparação dos brasileiros e do Japão para o maio evento esportivo do mundo?

Pranchas olímpicas

O skate e o surfe, dois esportes que vão entrar no programa olímpico em 2020, tiveram competições que valem a possibilidade de vagas em Tóquio.

No skate, as modalidades park e street tiveram seus Campeonatos Mundiais aqui no Brasil, e tivemos medalhas brasileiras!

Pâmela Rosa, de 20 anos, conquistou o título na categoria street (que simula obstáculos como se fosse disputado na rua).

Rayssa Leal, de ONZE anos, foi prata. Elas são líder e vice-líder do ranking.

E olha que Leticia Bufoni, terceira posição nesse mesmo ranking, não competiu por conta de lesão…

Já no Mundial de park (local fechado com diversos obstáculos, como corrimões, e rampas), os brasileiros Luiz Francisco e Pedro Quintas subiram ao pódio em 2º e 3º lugares.

Na pracha que surfa na água, a Brazilian Storm vem com tudo.

O ISA World Surfing Games é um evento que é obrigatório pra quem deseja estar na olimpíada.

E no palco olímpico, o Brasil se deu muito bem!

Ítalo Ferreira venceu o título do ISA World Surfing Games de 2019 com propriedade.

Ele que passou um drama para competir nesse torneio: foi assaltado, perdeu o passaporte nos EUA, teve problemas na viagem para Tóquio, chegou em cima da hora pra sua bateria, teve problemas com a bagagem…

E ainda assim foi lá e venceu a competição! O atual líder do WSL, Gabriel Medina, também fez bonito e acabou em 3º lugar.

Entre as mulheres, também fomos bem! Silvana Lima subiu ao pódio sendo vice-campeã.

Considerando o retrospecto geral, o Brasil também ficou com o título por equipes (esse não tendo contraparte olímpica).

Ginastica ritmica

O Brasil conseguiu fazer uma boa campanha no Mundial.

Tanto as disputas individuais quanto em conjunto, as meninas fazem a melhor colocação no Individual da história brasileira em mundiais.

Bárbara Domingos acabou na 31ª posição e quase atinge uma inédita final do Individual Geral.

Natalia Gáudio, uma outra representante, atingiu sua maior nota no ano na prova das maças.

Além disso, a equipe alcançou a 13ª colocação, cinco posições acima de sua participação em 2018.

As vagas olímpicas eram difíceis via mundial, mas as menianas vão tentar via Campeonato Panamericano em 2020.

Brasil no basquete foi bem, mas foi mal

Depois de uma primeira fase brilhante e 100%, o Brasil tropeçou e foi derrotado na 2ª fase da Copa do Mundo de basquete, realizada na China.

Precisando de apenas uma vitória, o Brasil perdeu para República Checa e para os EUA, com largo placar, o que prejudicou a classificação brasileira.

A eliminação custou também a chance de se classificar diretamente para Tóquio.

Pelo menos garantiu vaga no pré-olímpico. Só que esse torneio vai ser cascudo, pois reúne grandes seleções. Lá vem chumbo grosso!

Parceria COB Turma da Mônica

O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) firmou parceria com o cartunista Mauricio de Sousa, o criador da Turma da Mônica, para que eles participem de ações de marketing visando os Jogos Olímpicos.

A intenção é buscar uma proximidade maior do COB com os torcedores brasileiros, já que a Turma da Mônica é conhecida por todos os brasileiros e até internacionalmente.

Campeonato Mundial de Judô

A participação brasileira no Campeonato ocorrido no Japão foi melhor do que a última, mas não foi boa.

Medalha de bronze na competição por equipes mista (uma das novidades da Olimpíada de 2020), mesma cor de medalha de Mayra Aguiar (na categoria 78 kg, chegando à incrível marca de seis medalhas mundiais) e Rafaela Silva (bronze nos 57 kg).

Paulo André abaixo dos 10s

A busca pelo brasileiro que corre abaixo dos 10s QUASE se concretizou no Troféu Brasil de Atletismo, em Bragança Paulista (SP).

Com o tempo de 9s90, Paulo André Camilo conquistou o ouro na prova dos 100 metros rasos, mas não teve sua marca homologada porque o vento estava em 3,6 m/s.

O limite máximo para uma marca ser homologada é de 2 m/s.

No entanto, segundo estudos que desconsideram a velocidade do vento, provavelmente Paulo André conseguiria correr abaixo dos 10s!

Doping

Uma bomba explodiu no esporte brasileiro: alguns atletas foram flagrados em exames anti doping após os Jogos panamericanos.

O mais surpreendente foi o da judoca Rafaela Silva. O exame – feito durante o Pan – encontrou a substância Fenoterol, componente de remédio utilizado para contra asma, mas que está na lista por auxiliar a dilatação das vias respiratórias.

Alegando ter sido “contaminada” por um bebê que precisa consumir medicamentos pra asma, que lhe soprou nas narinas, ela tenta evitar a suspensão que a tiraria da olimpíada.

Não colou – pelo menos para a PanAm Sports – que lhe retirou a medalha de ouro conquistada no Pan de Lima.

Henrique Avancini QUAAAASE pega medalha

No Mundial de Mountain Bike na modalidade do cross country olímpico, Henrique Avancini até liderou por boa parte da prova, mas acabou ficando em 10º lugar no fim.

Nos dois últimos mundiais, o brasileiro ficou em quarto lugar, melhor resultado do País na história da competição.

E em Tóquio…

O Japão não cansa de surpreender: O Comitê Organizador anunciou que as camas da Vila Olímpica e Paralímpica serão feitas de materiais recicláveis.

Além de 18 mil colchões dos Jogos Olímpicos e outros 8 mil colchões para os Jogos Paralímpicos, colchas padronizadas serão disponibilizadas, inclusive para os atletas. que tem sido um dos itens preferidos na lista dos souvenirs dos atletas.

As camas são feitas de PAPELÃO capazes de suportar pessoas de até 200 quilos.

Antes dos Jogos Olímpicos começarem, ocorrerá em Tóquio o Intel World Open Tokyo 2020.

Promovida pela Intel, reunirá dois torneios de e-sports: Street Fighter 5 e de Rocket League, com jogadores do mundo todo.

As finais serão disputadas entre os dias 22 e 24 de julho, dois dias antes da abertura dos Jogos Olímpicos.

A premiação é de cerca de R$ 1,1 milhão em cada categoria.

Um grande problema (que muita gente acha que é bobagem) é a alta temperatura em Tóquio na época do ano em que os jogos acontecerão.

Para minimizar o desconforto aos torcedores, durante um evento-teste de canoagem velocidade, haverá uma “chuva” de neve artificial.

Essa neve artificial é produzida por pequenos equipamentos que borrifam essa “neve” sobre atletas e torcedores para evitar problemas com a temperatura.

Essas máquinas podem fazer até uma tonelada de neve por dia!


Mês que vem vamos resumir o que acontecer na caminhada brazuca rumo aos Jogos Olímpicos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *