Caso Sanchez: um festival de trapalhadas

O empate sem gols entre Santos e Independiente da Argentina, valendo o jogo de ida das oitavas da Libertadores, ainda não acabou.

Um festival de trapalhadas envolve a história do jogador uruguaio Carlos Sanchez. O jogador, contratado pelo Santos na parada da Copa, atuou na partida da Argentina mas, segundo os jornais argentinos na quarta-feira, não deveria.

Entenda o caso

O jogador foi expulso por agredir um gandula no jogo da volta da semifinais da Copa Sulamericana de 2015, quando jogava pelo River Plate. A controvérsia começa aí.

Segundo os jornais argentinos após o jogo desta terça, a CONMEBOL puniu o jogador com 3 partidas de suspensão.

Em 2016, quando a entidade completou 100 anos, foi feito algo como uma “anistia” aos jogadores e clubes que estavam com punições em andamento. Após esse fato, portanto, Sanchez teria que cumprir apenas uma partida de suspensão.

Como desde 2015 ele não disputava uma competição da CONMEBOL, ele deveria ter cumprido a suspensão na partida da terça última.

O Santos moscou legal então? Sim, com certeza. O presidente do Santos, à principio, não deu muito crédito ao fato, mas depois culpou o clube argentino por premeditação e disse que O PRESIDENTE DO INDEPENDIENTE DEVERIA TER AVISADO!

A CONMEBOL abriu investigação para apurar o caso.

Obviamente, uma consulta ao site da CONMEBOL resolveria a situação, certo?

NÃO!

A burrada do lado da CONMEBOL

Eis a grande reviravolta da situação. Vê aquele documento acima no post? Pois é. ELE NÃO CONSTA NO SISTEMA DA CONMEBOL!

A CONMEBOL possui um portal para informar sobre a situação dos jogadores, como suspensões. No entanto, provavelmente por ser uma punição antiga, o caso de Sanchez não consta lá.

Mesmo que o Santos tivesse sido competente o suficiente, a CONMEBOL não tinha a informação facilmente disponível. Logo, vai ser prejudicado por alguém igualmente incompetente, certo?

É AÍ QUE TEMOS UMA RE-REVIRAVOLTA NA SITUAÇÃO.

Um jogador do River Plate, Zucullini, jogou toda a primeira fase da Libertadores (caiu no grupo do Flamengo).

No entanto, ele foi suspenso por expulsão em 2013 e havia tomado 4 jogos de suspensão e, com a anistia, caiu para 2.

Depois da descoberta, ele não jogou a primeira partida das oitavas contra o Racing, e não jogará o jogo da volta.

A questão é que o River perguntou a CONMEBOL se haviam jogadores suspensos inscritos na Libertadores. A entidade deu o nome de Nacho Fernandez, mas não Zucullini.

Zucullini também não constava no portal com punições pendentes. Uma zona completa!


Fonte: Scout Sudamérica (twitter)

É difícil o Santos se safar dessa, por total irresponsabilidade. A única chance de se safar é com a irresponsabilidade da CONMEBOL.

E aí, mais uma jumentada do Peixe ou a CONMEBOL que prejudicou o time brasileiro? Comenta aí!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *