Evolução dos Escudos: Corinthians

Seguimos com a séria série de mostrar como o escudo dos principais clubes do Brasil foi mudando desde sua fundação até os dias atuais.

Dessa vez, vamos ver o símbolo que embala o BANDO DE LOUCOS: essa é a evolução do Corinthians!

O Clube, fundado em 1910, não teve um emblema na camisa até 1913, quando adotou as iniciais de Corinthians Paulista, “CP”.

Sua adoção só aconteceu para que o time pudesse participar da Liga Paulista.

Em 1915, foi adicionado no escudo o S de “Sport”.

O C que já tinha, serviu para as palavras “Corinthians” e “Club”.

Nessa época, também modificaram a ‘moldura’ que cercava as iniciais.

No ano de 1916, a ‘moldura’ passou a ser redonda, forma essa que perdura até os dias atuais.

Para 1919, houve uma mudança radical que se reflete até hoje: as iniciais foram substituídas pela bandeira do estado de São Paulo, e o círculo ganhou o nome do clube e a data de fundação.

Em 1926, o clube ganhou o escudo com a forma que temos hoje: a adoção dos remos, da bóia (que tem o escudo anterior dentro) e a âncora.

O clube, nessa época, comprou o terreno onde foi erguido o Parque São Jorge.

O escudo passou a homenagear os esportes aquáticos.

A arte é do pintor Francisco Rebolo Gonsales, que também já jogou pelo Timão.

Mesmo com a identidade criada, ela só passou a fazer parte da camisa do Corinthians a partir de 1939.

A partir daí, poucas alterações foram feitas no escudo, muito mais para deixá-lo mais moderno, mas sem perder a essência – como a que aconteceu na década de 1980.

A partir de 1990, quando o Corinthians venceu pela primeira vez o Campeonato Brasileiro, as estrelas foram sendo acrescentadas no escudo, chegando até a ter a estrela do Mundial de 2000.

Confira numa imagem todas as mudanças de escudo do Corinthians:

Fonte e Fonte

O Timão mudou muito o escudo no seu início, hein? Você sabia que no meio do escudo tinha uma bóia? Comenta aí!