Os Trapalhões do Sport

Um caso inusitado e, por que não dizer, difícil de acreditar, aconteceu com o Sport nessa semana.

Penúltimo colocado no Brasileirão de 2021, o time pernambucano está há 7 pontos do Santos (o 16º lugar, primeiro fora do Z4).

Porém nada disso pode mais importar, pois o time pode já ser virtualmente rebaixado por conta de um erro crasso!

Pedro Henrique (esquerda) na sua apresentação. Isso foi em agosto.

O zagueiro Pedro Henrique veio reforçar o time na luta pela permanência na elite em 2021.

Contratado por empréstimo junto ao Internacional, Pedro Henrique já atuou quatro vezes pelo rubronegro pernambucano.

O problema é que, aparentemente, a diretoria do Sport deixou passar um fato importante nessa negociação.

De acordo com o regulamento do Campeonato Brasileiro, um atleta que tenha atuado sete ou mais vezes por um clube, não pode mais atuar por nenhum outro da mesma divisão.

E Pedro Henrique entrou em campo pelo Inter por cinco vezes, ficando em outras nove partidas como opção no banco de reservas.

Pedro Henrique atuando pelo Internacional

Em condições normais, tudo certo. Não é?

O problema é que Pedro Henrique, em duas oportunidades que esteve apenas no banco, tomou cartão amarelo, com isso sendo registrado em súmula.

Ou seja, para o regulamento, Pedro Henrique PARTICIPOU dessas duas partidas, fechando assim as sete participações pelo Colorado.

O Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) no seu artigo 214, indica que a pena no caso é de perda de três pontos por partida disputada pelo atleta irregular, além de R$ 100 a R$ 100 mil reais por jogo em multa.

Além disso, o pontos conquistados com o atleta em campo também seriam anulados.

O zagueiro atuou pelo Sport, até agora, em quatro oportunidades: contra São Paulo e Fortaleza (derrota), Chapecoense e Athletico-PR (empate).

Fazendo as contas, se o clube for punido, perderia 14 de seus (até agora) 17 pontos conquistados. Isso além da multa, claro.

Diretoria joga 10

Você pode estar se perguntando como a diretoria do Sport deixou isso acontecer, e como ninguém reparou nisso antes.

Não foi nenhum clube concorrente ao descenso ou jornalista que “descobriu”.

Pessoas internas do próprio clube vazaram essa informação via torcedores.

Claro que o clima político interno do Sport é nefasto, e quem vazou a informação não pensou no clube, mas evidentemente uma grande gafe da diretoria do Sport aconteceu.

Antes desse fato, a diretoria do Leão já havia pisado na bola na inscrição de reforços para a Série A.

Em um deles, o lateral-direito Jeferson, seu nome não constou no BID (Boletim Informativo Diário da CBF) na data limite para registros de jogadores para a Série A de 2021 (no último dia 23).

Em mais três casos, os jogadores até constaram no BID (o goleiro Saulo, o atacante Vander Vieira e o volante Nicolás Aguirre), mas NÃO FORAM INSCRITOS no Brasileirão.

Juntando esses casos com a possibilidade de perda de pontos e virtual rebaixamento para a Série B, foram destituídos de seus cargos na última terça: o vice-presidente de futebol do Sport, Nelo Campos, e outros quatro diretores do departamento: Augusto Moreira, Gabriel Campos, Guilherme Falcão e Rossini Millet.

O presidente do Sport, Leonardo Lopes, não teve outra escolha. Disse:

“Atividades tão rotineiras, chama a atenção que tenha acontecido em episódios recorrentes, simples. Isso chamou a atenção. A gente vai intervir para que isso não aconteça mais. Porque é inadmissível”

Fonte e Fonte


Que algumas diretorias no nosso país são amadoras, isso a gente já sabia, mas ISSO eu nunca tinha visto num clube de elite.

O que você acha? Comenta aí!

Deixe um comentário