Perfil AG: Joanna Maranhão

O Perfil AG dessa semana traz um pouco da história de uma nadadora arretada, vitoriosa e lutadora que se aposentou recentemente das piscinas.

Conheça um pouco mais de Joanna Maranhão!

Brilhando desde criança

A natação apareceu muito cedo para Joanna. Já aos 3 anos de idade começou a nadar no Clube Português do Recife.

Com 11 anos, venceu suas primeiras provas no Festival CBDA-Correios Norte-Nordeste, de 1998: 400 metros livre com 5m08s44, e 200 metros medley com 2m45s02.

Tudo acontecia rapidamente: com 12 anos ela participou dos Jogos Pan-americanos de Winnipeg, no Canadá.

Só quatro anos depois, em Santo Domingo, com 16 anos de idade, veio uma medalha de bronze nos 400 metros medley.

Um ano depois, o ápice de sua carreira, com 17 anos de idade, chegou a final dos 400m medley nos Jogos Olímpicos de Atenas, na Grécia.

O quinto lugar de Joanna nessa prova é a melhor colocação obtida até hoje por uma nadadora brasileira em piscinas (Poliana Okimito conquistou o bronze na Rio 2016 na maratona aquática).

Após os Jogos da Grécia, caiu bastante de rendimento, mas retomou aos poucos a boa forma.

Em 2007, no Pan do Rio, medalhista de bronze no 4×200 metros livre.

No Pan seguinte de 2011, em Guadalajara, no México, sua melhor participação em Pans: Prata nos 400 metros medley, prata no revezamento 4×200 metros livre e a bronze nos 200 metros medley.

Parou de nadar, mas posteriormente, retornou às piscinas.

Aposentou-se das piscinas em 2018, mas conseguiu antes de parar duas importantes marcas:

  • recorde sul-americano do revezamento 4×200 metros livre em 2015 (com 8m03s22), junto com Larissa Oliveira, Manuella Lyrio e Gabrielle Roncatto
  • recorde brasileiro nos 1500 metros nado livre, com o tempo de 16m26s63, em 2017.

Vida pessoal

As oscilações na carreira de Joanna, que teve um início precoce e promissor, coincidem por problemas em sua vida pessoal.

Em 2008, ela revelou em entrevista que havia sido molestada sexualmente aos nove anos de idade pelo seu então treinador.

O caso levantou o questionamento sobre abusos sexuais de crianças no meio esportivo que levou, no ano seguinte, ao Senado Federal aprovar projeto de lei que alterava o Código Penal Brasileiro, indicando que o prazo de prescrição de abuso sexual de crianças e adolescentes seja contado a partir da data em que a vítima completar dezoito anos.

O projeto foi aprovado pela Câmara dos Deputados em 2012, e foi batizado pelos próprios parlamentares de Lei Joanna Maranhão.

Hoje, aposentada das piscinas, vive com seu atual marido, o ex-judoca Luciano Correia.

Bem ativa nas redes sociais, continua a atuante nas causa do empoderamento feminino, da evolução da natação para as mulheres e na defesa de vítimas de abusos no esporte. Anunciou no ano passado a sua filiação ao PSOL.

A vida de Joanna virou um documentário, pela ESPN, em 2016.

Quem você quer aqui no Perfil AG? Comenta aí!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *